O Escafandro e a Borboleta


Numa nostálgica sessão, em um local onde caberiam com facilidade 100 pessoas, mas que estavam somente 7, tive a grata oportunidade de contemplar uma obra colossal do cinema francês: O Escafandro e a Borboleta (Le Scaphandre et le Papillon, 2007).

Ainda não li nenhuma resenha ou crítica sobre o filme, mas tenho a mais plena certeza de que uma palavra está em todas as definições sobre esta obra: Poético. Venho aqui colocar o que senti com toda essa poeticidade. Os detalhes cinematográficos da película talvez não sejam o que mais queira enfatizar, porque esse filme tocou-me.

Mas calma, tomarei o devido cuidado para que esse texto não fique impregnado de pieguice.

A película francesa, baseada no livro homônimo , relata a pungente história de Jean-Dominique Bauby, editor-chefe da revista Elle, de como ele teve uma rara síndrome que privou todo o seu corpo, à exceção do olho esquerdo, de todos os movimentos. Foi com este olho que ele conseguiu “escrever” o livro que inspirou o filme.

No grande ecrã do diretor Julian Schnabel, possue características de um filme que pode ser classificado, sem exageros, como obra de gênio. Explorando a câmera de mão, ele nos transforma na personagem, dando-nos o seu ponto de vista (nos momentos em que a personagem chora, podemos sentir seus olhos enchendo-se de lágrimas com a lente da câmera perdendo o foco). Seguindo uma marca registrada do cinema francês, O Escafandro e a Borboleta explora os detalhes, com um minimalismo delicado, refinado. Brincando com o sentidos do espectador, o filme faz-nos sentir o vento da praia com os cabelos esvoaçantes, a agonia de estar trancafiado num corpo inerte, o desespero do querer sem poder, o olhar aflito de Jean-Do (como os amigos chamavam Jean-Domininque).

Os trechos em flashbacks do passado de Jean-Do, Schnabel mostra o contato que teve com a religião, indo para a cidade de Lourdes (popular por ter ser sido lá que uma santa possivelmente tenha aparecido) e o seu desapego da religiosidade. Mesmo sua terapeuta tentando levá-lo (forçado obviamente) à uma igreja, querendo fazê-lo crer que ele teria a ajuda de alguma força divina. Mas Jean-Do não se ilude. O roteiro neste ponto merece destaque. Com a voz do protagonista em off dialogando com as pessoas, o sarcasmo e a ironia da personagem se tornam patente. Jean-Do não cria falsas esperanças, não cria para si uma possibilidade de salvação. O realismo existência presente na obra é um outro mérito da película. Este realismo que não fica procurando, inventando, esperança onde não tem, e não se desesperar com isso.

E assim como Jean-Dominique Bauby estava preso ao seu corpo inútil, também estamos presos a esta vida inútil. E assim como Bauby não criou falsas esperanças em deus imaginários, também nós não devemos fazê-lo. Como metáfora para nossa existência, O Escafandro e a Borboleta mostra-nos que não devemos nos desesperar com o fato de que nossa vida caminha rumo ao nada.

About these ads

Sobre Ricardo Silva

Sem talento para auto definições.
Esta entrada foi publicada em Cinema. ligação permanente.

Faça seu comentário. Exponha sua opinião!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s